domingo, 8 de setembro de 2013

O que aprendemos em quase 6 meses

Ai, gente, dá até vergonha de escrever... tantos meses ausentes e este blog já tem até teia de aranha!!! (rs)

Acho que não tem muito como ser diferente, mesmo. Infelizmente não é sempre que dá para parar e pensar sobre toda a experiência que estamos vivendo. Porque escrever no blog é isso, né? É dar um passo para o lado e tentar observar de fora o que nos aconteceu até o momento, é analisar, pensar, comentar e depreender alguma coisa, um ensinamento, uma conclusão, uma luz no fim do túnel!

Aliás, pode até soar um pouco arrogante, mas faz tanto tempo que não escrevo textos mais longos que atualizações no Face em português que a minha vontade de misturar as duas línguas aqui é quase mais forte do que eu... Mas o caso é que escrevo em inglês o dia todo para o trabalho e nunca tenho a oportunidade de colocar no "papel" meus pensamentos em português... Então, se alguma coisa soar estranha, sorry... =(

Estamos quase completando 6 meses de Canadá. Não parece tanto, não parece tão pouco. Não sei mensurar o nosso tempo aqui - estamos construindo uma vida aqui, montando casa, rotina, vida, crenças - 6 meses é muito pouco, mas 6 meses é muito tempo também.

Nesses 6 meses o que aprendemos foi:
1. Os canadenses nem sempre são tão bem educados, assim... rs... mas não chegam a ser rudes, apenas objetivos demais para nosso coraçãozinho latino... rs

2. Nem todos os imigrantes (de qualquer país que possa imaginar - tinha país que eu nem sabia que existia até chegar aqui no Canadá!!!) estão a fim de se adaptar, de aprender a língua, de se integrar e de respeitar as regras e o 'Canadian way of life'.

3. A princípio achamos que tudo no Canadá é muito barato; meses depois achamos que tudo é muito caro. Aliás, chocadas com o preço do mercado outro dia, resolvemos fazer uma comparação básica com o Brasil. Entramos no site de uma rede de supermercados brasileira e checamos os preços das coisas que havíamos comprado - ou similares, claro - e o que percebemos é que no Brasil o nosso gasto teria sido 300% maior! Mesmo para os viciados em conversão, no Brasil ainda é mais caro. A gente não converte, meu salário é em dólar e meu valor hora-aula é muito próximo ao do Brasil - até um pouco menor, mind you, mas ainda assim, meu poder aquisitivo é muito maior aqui, sem comparação.

4. É muito difícil criar um círculo social não-brasileiro. Talvez porque nos fechemos, talvez porque tenhamos medo, porque talvez não tenhamos tantas oportunidades de socialização - não sei - por enquanto, para nós, ainda não foi possível criar laços com nenhum "gringo"... o que é irônico, afinal, os "gringos" somos nós! rs

5. Não conhecemos nada da cultura canadense. Entendemos os feriados a medida que vão acontecendo, pesquisamos mais da história do país a medida que temos dúvidas... Mas saber que horas o canadense janta, como o sistema de ensino funciona, qual a multa para "jay-walking", para desrespeitar o farol ou a sinalização - mesmo de bike... essas coisas, a gente não sabe... Porque, infelizmente, mesmo sendo parte do "povo canadense", parte do que esse país é, não fazemos realmente parte, ainda. Não crescemos aqui, não estamos aqui nem tempo o suficiente para sabermos o que é declarar impostos! rs Mas estamos aprendendo... quem sabe daqui outros 6 meses?

6. Não sinto falta da comida brasileira (exceto pão de queijo e churrasco - dos quais, o único que ainda não podemos fazer aqui é o churrasco, mas picanha já achamos... rs...). Acho que podemos cozinhar qualquer coisa que quisermos aqui, e sabemos onde encontrar essa qualquer coisa também, então, falta, falta, não sentimos. Aliás, achamos que só comer comida brasileira, com os produtos brasileiros, do jeito brasileiro o tempo todo pode atrapalhar na adaptação. Todo mundo sai do país em busca de algo melhor, mas não existe nada perfeito e as pessoas aqui podem ser bem estranhas, as coisas podem ser mais difíceis do que se esperava, o inverno pode ser mais longo do que o previsto e, de repente, o que se tinha no Brasil não parece nem um pouco ruim ou indesejável - aí, meus amigos, aí lascou (como dizem uns amigos aqui... rs). E ficar vivendo o sabor da comida, os costumes do Brasil, só aumenta a saudade e dificulta a adaptação. Essa é a MINHA opinião. Todos tem direito à sua. Claro que acho bom comer uma comidinha brasileira, mas não vou deixar de comer os produtos canadenses, de experimentar a vida do jeito que eles vivem, sei lá, quem sabe a gente até gosta mais, né?

7. Estar trabalhando é tão difícil quanto não estar trabalhando. Eu achava que seria fácil a gente se adaptar se uma de nós estivesse trabalhando. Mas não é fácil se adaptar no trabalho, ainda mais no meu... Tenho que falar inglês MUITO CORRETAMENTE e conhecer vocabulário de uma forma insana - que eu nunca tive a necessidade no Brasil, ou na minha vida toda, for that matter - e responder dúvidas culturais de alunos o tempo todo. Tenho que provar que sou tão capaz quanto um professor nativo (que não tem dificuldades com pronúncia ou vocabulário - gramática a gente que vem de fora tende a entender melhor... rs), que os alunos podem confiar no que estou dizendo... Mas TUDO é muito DIFERENTE. Não tem sala de professores, não tem aquela camaradagem brasileira, aquela mania de fazer piadinha com tudo para deixar o ambiente mais leve, de não se levar tão a sério sem deixar de ser extremamente profissional e competente. Confesso que tem sido aterrorizante... mas tenho resistido bravamente e a cada dia fica um pouco menos complicado. Fácil ainda não é... e não sei se algum dia será...

8. A faxina, do jeito brasileiro, tem de morrer. Os produtos aqui requerem outro tipo de approach. Quando entendemos isso, passamos a achar mais prático limpar a casa aqui e com a certeza de que fizemos um bom trabalho. No Brasil a gente usa muito pano úmido, joga água em tudo o que é lugar e adora ver uma espuminha surgir. No Canadá nada disso acontece. Não se pode jogar água em nada e passar o pano, do jeito que fazíamos em casa, não é nada prático. Passa-se o pano com produto já nele, não se mistura água, o aspirador de pó é ultra-necessário (ainda mais aqui que tem obra no prédio do outro lado da rua e no nosso prédio também!). Existe o produto certo para cada coisa e aprender o que é bom para que e como se usa requer um pouco de tempo e perseverança! rs

9. O sensor de fumaça sempre dispara quando se está na cozinha. Qualquer fumacinha e o bendito dispara. Daí dá-lhe correr para debaixo dele com um pedaço de cartolina para abanar e fazer o apito parar! rs... Para evitar o mico e o susto, quando estamos cozinhando, colocamos uma touca de banho (sim, essas de plástico) no sensor/alarme para não termos de sair correndo pra abanar o bendito! =) É uma boa dica.

10. O Canadá não é perfeito. Mas queremos muito continuar a viver aqui. Pode não ser perfeito, mas é seguro, é justo, é lindo (rs). Não nos sentimos desrespeitadas pelo governo, pela justiça, pela polícia. Não sentimos como se os órgãos públicos fossem uma piada de mau gosto! Andar pelas ruas sem o medo de ser assaltada em cada esquina é tão maravilhoso que não consigo imaginar a vida de outra forma! Fazer pic-nic no parque num domingo de sol é uma das coisas simples que a gente quase não tem a oportunidade de fazer no Brasil - tem o Ibirapuera, claro, que é ótimo, mas tem que enfrentar trânsito, achar lugar pra parar, pagar flanelinha ou zona azul, se preocupar se vão roubar seu carro, se preocupar se vão levar suas coisas durante o pic-nic...

Sei lá... Temos tanta coisa a aprender ainda! Quem sabe daqui 6 meses minha visão seja completamente diferente e eu contradiga tudo o que disse até agora?! Se me perguntassem sobre essas coisas há 6 meses, tenho certeza de que minha visão seria bem diferente!

Talvez eu esteja vendo o Brasil como o vilão da história, talvez eu esteja sendo injusta com meu país natal, mas sei que não estou pronta para voltar lá e comparar... rs Como dizem, ainda estou na lua de mel com o Canadá. Tomara que esse feeling dure por muitos e muitos e muitos anos! =) Mas se amar um país for como amar uma pessoa, tenho certeza de que temos a fórmula para uma duradoura relação, nós e o Canadá! =)

8 comentários:

Catherine Itusarry disse...

Adorei o post. Que venham outros 6 meses de muita conquista, aprendizado e felicidades.

Beijos;
Catherine
http://meetyoutherecanada.blogspot.com.br/

Lupatinadora disse...

Mel,

Fizemos 3 anos aqui e a lua de mel continua.

Muitas das coisas que vc falou agora já "passamos da fase" - sei que horas canadense janta, nunca tomei multa de jaywalking, sabemos qual é o melhor telejornal, sei a diferença entre um RRSP, NRSP e TFSA e já sonho em ter meu cottage em Muskoka ;-)

A vantagem no meu caso é que trabalho num ambiente com muitos canadenses, então quando aparece alguma referência a algo que não conheço, já falo "I wasn't raised here" e peço para me explicarem. Já o marido que tem a mesma profissão que você acaba só interagindo com estudante estrangeiro mais perdido que cedo em tiroteio - is the blind leading the blind (expressão bastante usada aqui, by the way).

Ajudou bastante ler as revistas Maclean's e Toronto Life pra saber o que está acontecendo no país e na cidade, assim como o POV canadense. Assinatura de revista aqui é baratinho tb, Maclean's 3.50 por mês na sua conta da Rogers ;-)

Qto à fumaça, #1 é não fazer fritura. Se for fazer, comprar uma fritadeira elétrica que não sai fumaça ;-). #2 é comprar uma "tampa de frigideira" - quem me indicou foi a Marden do blog Conversa entre Penélopes. Tem na Dollarama mas comprei a minha no Walmart que pode por na lava-louça. http://www.examiner.com/article/splatter-screen-makes-kitchen-clean-up-easier

Qto a comida, a vontade passa rapidinho. E se der muita vontade mesmo, é só ir no "gueto" comprar ou comprar os ingredientes. Eu tenho sempre biscoito waffer Bauducco (coisa que nem comia direito no Brasil). Aqui em casa sempre tem pao de queijo no freezer e no verao nosso churrasco tem picanha sempre (e coraçaozinho também). Tudo isso, aliás, mais barato que no Brasil.

Desde que viemos fui uma vez ao Brasil e tenho pouquíssima vontade de ir de novo. Devo ir em abril por conta de um casamento, mas prefiro gastar meus dólares em férias gringas - 1 semana no Caribe com tudo incluído por menos que a passagem pra terra brasilis...

Viva la vida gringa!

Get Away disse...

Muito interessante a percepção de vcs sobre o Canadá depois de quase 6 meses de "lua de mel"...rs...rs...
Sei que cada um tem um ponto de vista diferente, mas acho sempre bom ouvir a opinião dos outros!
Sempre que sobrar um tempinho, continuem contando as experiências de vcs.
Bjs

Thiago disse...

Q bom q vcs postaram, Mel!
Estou indo a Vancouver agora em outubro p/passar férias mesmo, mas queria tanto estar indo d vez!
Gente, não tem sala dos professores, como assim? rs Onde as pessoas ficam nos intervalos?
Imagino a cobrança q vc deve sentir enquanto brasileira... Eu confesso q c/outros professores nativos aqui mesmo eu já me sentia pressionado, no seu lugar eu estaria freaking out, rs.
Vou chegando à conclusão q o jeito mais fácil d eu ir p/o canadá é justamente c/o marido c/visto d estudante full time, acho q professor d idiomas nunca mais vai entrar na lista p/a gente tentar o processo federal.
Mta sorte p/vcs e td d bom!

Pati e Temps disse...

Sil e Mel, parabens pelos 6 meses!
Que os proximos sejam igualmente cheios de conquistas, descobertas e emocao!!!
Vale super a pena escrever... para matar a curiosidade de nos leitores, claro, mas tb para servir como um "diario" da sua nova vida canadense... imagina daqui a alguns anos entrar e ler suas primeiras impressoes? Ou quando bater aquela saudade do Brasil, entrar e ler quais eram mesmo os valiosos motivos que te fizeram sair de la??
Continuem a escrever sim!!! Eu to aqui lendo!

Super beijo,
Pati

Mel disse...

Gente, obrigada pelo incentivo! rs... Vou tentar escrever mais... =)

Lu, fritura não entra em casa... rs... mas a tampa para frigideira é uma ótima! =)

Thiago, os professores ficam nas suas salas no intervalo, no almoço... na vida toda! Não sei!! É complicado! rs... mas tenho ficado feliz por que os alunos já não spot meu sotaque, dificilmente acham que sou brasileira, diferente do início, que todo mundo me perguntava: 'de onde vc é?' rs Agora ficam surpresos quando descobrem minha identidade secreta... ahaha

Pati, vou escrever, sim! E vou participar mais dos blogs... Fiquei muito feliz por saber das suas novidades! Mas vou deixar pra comentar lá pra vc...

Bjs

Meet the Beaver disse...

Adorei o post Mel! Vocês bem sabem que a gente assina embaixo!! rs..
Beijos,
Renata

gabynocanada.com disse...

Adorei o post e o blog! Parabens